quinta-feira, 31 de março de 2016

NEGLIGÊNCIA


Infelizmente o que a realidade nos mostra é que a negligência, essa palavra, esse ato de descuido, de desleixo, com a comunidade, com o próprio cidadão imperou a nossa volta, está inserido em nossa sociedade como uma coisa quase que normal. Ela tomou conta, está espalhada para todos os lados, nos setores públicos, nos profissionais e no próprio cidadão.

Asilos abandonados, à deriva da boa vontade de alguns preocupados com os senhores da vida, aquele que tem tanto a nos dizer, presos no silêncio do abandono. Crianças passando fome, pedindo nos sinais, matando a infância, talvez o capítulo mais belo da vida, mas não para estas crianças, que jamais vão saber o que é ser criança. Os hospitais, ah os hospitais, lugar onde devia estar salvando vidas, curando pessoas, tristemente, muitos se tornaram em prédios de tortura, salas de sepultamento da esperança.
A educação abandonada, largada as traças que comem a sabedoria que se esvai pelos discursos demagógicos de quem grita pelo ensino de qualidade, mas na prática cruza os braços. Isso tudo sem falar da piada que são os gestores públicos, em todas as áreas. Será isso mera negligência, mera fatalidade, ou será pura incompetência de todos nós.
Fabrício Colombo.

FORÇA AÉREA BRASILEIRA

Imagem Fabrício Colombo. Base da Força Aérea Brasileira - Canoas - RS

terça-feira, 29 de março de 2016

SIMPLESMENTE

Eu hoje simplesmente
Quero você assim
Até depois do fim
Eu quero você pra te falar
Que o tempo passa
Vai passando simplesmente
E cada vez mais vou te amando
Eu quero você pra sempre
Pra eternidade vou te querer
Simplesmente te querer por querer
Eu quero você silenciosamente
E ficar calado em teu peito
Simplesmente fascinado com teu jeito
Eu hoje simplesmente
Queria te dizer que acordei
Com uma vontade louca
De fazer amor com você!
Fabrício Colombo.

segunda-feira, 28 de março de 2016

SOBRE ONTEM A NOITE

Sobre ontem a noite
Nada tenho a dizer
Tudo tenho a recordar.
Tão de repente
Tão loucamente
Suavemente
Eu e você em um só
Uma incrível magia.
Sobre ontem a noite
Nada tenho a falar
Até que chegue a próxima noite
E eu possa lembrar
Sobre ontem a noite.
Fabrício Colombo.

domingo, 27 de março de 2016

EU TE PERDI

Eu te perdi, por minhas tolices. Erros que fizeram você se afastar, grande pena, pois minhas qualidades também faziam você ficar.
Nas idas e voltas, nos desencontramos, e eu te perdi, que infelicidade, pois eu queria te mostrar que ficar vendo as estrelas e jogando conversa fora numa noite quente ao meu lado também poderia ser inesquecível.
Eu te perdi, pela minha incapacidade de demonstrar todo amor que eu sentia por você.
Eu te perdi, quando disse que queria um tempo para pensar mais em mim.
Eu te perdi, por intolerância e insensatez, por estupidez ao telefone, enquanto você me contava seu dia cansativo.
Eu te perdi, sem perceber, e quando noite, você aqui não estava mais.
Eu te perdi, nas noites frias que deixei você assistindo seu filme favorito sozinho.
Eu te perdi, não querendo, mas precisando, porquê a partir daí pude ver seu valor grandioso.
Eu te perdi, e aí já era tarde demais para desculpas que não significariam absolutamente nada.
Eu te perdi, e isso me fez sofrer, me fez parar de comer e de achar graça de tudo.
Eu te perdi, mas eu ainda te procuro.


Eloísa Gonzato.

sábado, 26 de março de 2016

TE AMAR

De tudo o que aconteceu
E o que vai acontecer
De todos os beijos que te dei
E todos os desejos
De todos os carinhos que eu fiz
E os que eu não fiz
Que na vontade ficou
E de todos os sonhos que eu sonhei
Em todos você estava
Todos os meus sorrisos
Foram por ti
E todas as lágrimas que eu chorei
Foram por nós
E todas as vezes que eu gritei
Que te magoei, me machuquei
Todo o meu silencio
Foi a sinfonia que eu te dediquei
De todas as palavras que eu escrevi
As canções que ouvi
E por tudo que eu viver
Te amar ainda vai ser
A poesia mais linda que eu já fiz!
Fabrício Colombo

quinta-feira, 24 de março de 2016

UM PENSAMENTO LIVRE

Não basta ensinar aos homens uma especialidade, algo muito especifico, pois assim, ele se tornará uma máquina utilizável, mas jamais terá uma personalidade. É necessário que este individuo adquira sentimento, um senso prático daquilo que vale a pena ser empreendido, daquilo que é moralmente correto.

Se não for assim, ele vai parecer, com seus conhecimentos profissionais, mais a um cachorro adestrado do que uma pessoa harmoniosamente desenvolvida, a onde exista um equilíbrio entre seus conhecimentos científicos, técnicos, racionais e emocionais. Esse indivíduo deve entender e aprender as motivações nobres dos homens, suas quimeras e suas angústias para poder determinar com mais exatidão o seu lugar exato no mundo, ao seu próximo e a sociedade.
Os excessos provocados pelo sistema de competição e da especialização prematura, sob o falacioso pretexto da eficácia e da competência, assassinam o espírito humano, a bondade, a solidariedade e impossibilitam qualquer vida cultural. É preciso que as pessoas entendam que a realização de uma boa educação, não deve somente desenvolver a parte técnica, mas sim desenvolver os sentimentos nobres e o espirito crítico na inteligência dos homens.
(Fabrício Colombo, 19 de maio de 1995; edição 192, Jornal Visão Geral).


O MUNDO


Esse mundo tá virado nós não vemos mais amor 
Pessoas matam por dinheiro sem se preocupar com a dor
Você abre o jornal 
E já nem cabe mais tanta coisa na página policial
A hipocrisia é absurda 
é político corrupto falando em combater o marginal
Enquanto uns lutam pelo tal do shortinho 
outros lutam pela igualdade social, 
crianças na volta passando fome
mas ninguém vê a necessidade real
Tão muitos ocupados 
trabalhando incansavelmente pra poder comprar um carro novo 
Não tem tempo de ajudar a tal criança que ser quer tem um pão com ovo
Pare pensa e reflita se você esta sendo humano 
Talvez amanhã seja você que precise da ajuda de outro ser humano
Faça o bem sem olhar a quem 
Eles já plantam o mal de mais 
Se sobreponha vá além 
Preze por seus ideais
Pergunte todo dia pra si mesmo 
Eu sou um vencedor?
Ame o próximo como a ti mesmo
Transborde paz e amor
Que surja um novo vírus e se espalhe entre as pessoas 
Mas que não lhes traga a morte que traga chuva de coisas boas 
Eu ainda tenho fé na humanidade 
e tenho muito mais fé na vida 
E como diria Bob Marley
" Não preciso ter ambições, só tem uma coisa que eu quero muito, que a humanidade viva unida ".
Luan Filiphe Velho

terça-feira, 22 de março de 2016

IMAGINEI

Vivemos uma doce aventura
Imaginei muitas loucuras
Tivemos um breve momento
Sonhei tanto sentimento
Passamos poucas horas
Planejei tantos planos
Nos beijamos carinhosamente
Nos imaginei
Fazendo amor loucamente.

Fabrício Colombo.

ESTRADA DE CHÃO, INTERIOR DO RS.

Foto: Fabrício Colombo, Camargo, RS; dezembro de 2010.

segunda-feira, 21 de março de 2016

O SOL DA MEIA NOITE

O céu e a imensidão
O infinito não vejo
A minha angústia, que dor
É saber que estou só
No escuro da minha solidão
Um grito perdido no silêncio
Vontade de falar, estou calado
Um pouco de esperança
Que corre na ponta do meu coração
Me pega de surpresa, me derruba no chão
A vida e a morte
Quantos mistérios
E nas trevas da escuridão
Você surge brilhando feto um sol
Reluzindo nesta noite
Que não teve começo e não terá fim
Pois é um sonho inacabado
Que pra sempre será sonhado...
Fabrício Colombo

domingo, 20 de março de 2016

MUNDO DECADENTE

Estou em meu mundo e nada mais
No meu mundo decadente, demente
Imaginário, um mundo que não existe
Novamente com a solidão a me acompanhar
Essa fiel companhia, que eu juro, não queria
E na escuridão do meu pensamento
Que não vez a luz e a esperança
Estou cansado
Não sei mais o que é querer
Pois do meu sorriso já esqueci
Nem me lembro mais dos seus contornos
De repente, queria eu, gritar
Talvez para tentar me libertar
Mas o silencio não deixou
Em mim se instalou
Nesse mundo demente, mundo decadente.


Fabrício Colombo.
O que seríamos sem o amor?
O amor é inspiração do compositor
é o combustível do poeta,
é a emoção do ator,
é a canção que suaviza as dores da alma
que completa e que acalma.
-Camila Gisele

sábado, 19 de março de 2016

A PRIMEIRA VEZ

A ternura em teu riso
O sonho inesquecível
A lembrança mais doce
A flor que nunca secou
O segredo que se fez o universo
A lua que no céu brilhava
Reluzia no lago teu rosto
Tão perfeito como a criação
E nunca esquecer a sensação
De um mundo perdido
Entre olhos fechados
Lábios molhados
Matando a sede
Que o fogo queimava
Em desejos ardia
Dois corpos abraçados
E a vontade se sacia
Na magia dos movimentos
Teus gemidos, sinfonia
Minhas mãos percorriam
Nas letras da tua poesia
No momento em que nós descobríamos
O sabor do amor que se fazia.


FABRÍCIO COLOMBO

sexta-feira, 18 de março de 2016

DESEJO

Até quando resistiremos a esse desejo
A cada olhar que vai nos entorpecendo
A essa vontade louca
A cada abraço
A cada tocar de mãos
A sua pele em mim
Estamos enlouquecendo
E vamos ficando mais ardentes
Em cada beijo inocente
Que vai nos embriagando
Nessa viagem sonhada
Nossos corpos vão se unindo
Quase se entregando um ao outro
E o medo nos ronda
Em nossos olhares
É inútil lutar
Nossos corpos se colam
Já é impossível controlar
E a esse desejo vamos nos entregar.

Fabrício Colombo.

quinta-feira, 17 de março de 2016

O BRASIL.....


Me pediram para escrever sobre a situação atual do nosso país. Uma tarefa aparentemente fácil, pois seria necessário descrever o que está errado e "baixar a lenha". Mas não é bem assim. Para entender realmente a situação é necessário compreender todo o contexto em que está crise política está inserida. Não podemos ser iludidos nem pelos discursos de inocência e muito menos por materiais editados pela imprensa. No Brasil ela não é, e jamais foi imparcial. Acreditar na imparcialidade da imprensa é de uma ingenuidade perene, é a mesmo coisa que acreditar que Lula, Aécio e toda essa tropa são inocentes. 

Por isso antes de sair atirando pedras, reflita antes, pense. Criticar e desconstruir é muito fácil. Sugerir, realizar, fazer, já é bem mais complicado.
Quero lembra-los que essa mesma oposição e muitos deputados que hoje condenam os atos de Lula e do governo são os mesmos que anos atrás venderam seus votos no Parlamento, em troca de favores,verbas e cargos para aprovar os projetos populistas, do qual hoje a conta está bem alta. Reformas populistas agradam o povo, maquiam a realidade, mas não resolvem as questões que tem que resolver.
A primeira coisa nesse momento que tem que ser estancada é a corrupção, essa veia aberta jorrando sangue sobre a população. Mas temos que fazer a autocrítica, neste país a corrupção é uma prática comum não só dos políticos, mas de grande parte da população que comete "pequenas corrupções". E são esses pequenos corruptores que quando chegam ao poder formam as quadrilhas de colarinho branco que não usam armas, mas matam cidadãos nas filas dos hospitais, matam a esperança do jovem, acabam com a dignidade do velho. Mas não são eles que tem que acabar com a corrupção, somos nós.Não adianta em ir pra rua hoje pedir justiça e cometer injustiça na urna depois. É nós que temos que ter vergonha na cara e parar de votar nessa cambada de parasita, que sugam o sangue, o suor, os sonhos......é nós.
Fabrício Colombo.

quarta-feira, 16 de março de 2016

QUANDO A GENTE AMA

Quando a gente ama
As loucuras são brincadeiras
O tempo é pequeno
As mentiras, verdadeiras.
Quando a gente ama
Tantas palavras, são poucas
E o fogo é o desejo
De sempre querer mais um beijo
Quando a gente ama
O mundo é esquecido
A vida perde o rumo
E outro universo é conhecido
Quando a gente ama
Tudo é possível
E o impossível
Não passa de um segundo a mais.
Fabrício Colombo.

SÍTIO DA FAMÍLIA LIMA - DOIS IRMÃOS - RS

Foto: Fabrício Colombo, dezembro de 2015.

segunda-feira, 14 de março de 2016

O TEMPO NUNCA PARA

Esse tempo nunca para
O sonho que não chega
Vida sem graça
Felicidade que tropeça
Aventura que não vem
Perdi mais um trem
Novamente dizendo amém.
O tempo nunca para
Solidão que bate a porta
Me rodeia e sempre volta
De novo me mal trata
Ferida que nunca sara
Dor que não passa
Silencio que nunca fala.
E o tempo não para
Não dá descanso
Jogo que não venço
Desejo que não alcanço
Não encontro saída
Pra essa vida destruída
Na ilusão oferecida.
O tempo nunca para
Vejo no espelho minha cara
O tamanho dessa tara
Um encontro com a loucura
E o tempo nunca para.
Fabrício Colombo.

sexta-feira, 11 de março de 2016

CICATRIZES

O tempo passou
E nada mudou
Continuo a sofrer
Por essa dor
Continuo a chorar
Por esse amor.
O tempo passou
Só torturou
E nada curou
De nada adiantou
Os ventos sopraram
E as cicatrizes que não calam.


Fabrício Colombo.

quinta-feira, 10 de março de 2016

EMBRIAGADO

Silenciosamente
Desse jeito diferente
No meu pensamento demente
Mas eu amo simplesmente
Confesso, loucamente
Nos sonhos que sou atrevido
Eu ouço os teus gemidos
Me sinto aguerrido
Logo, enlouquecido
E por esse amor, embriagado.
Fabrício Colombo.

ESTOU A TE ESPERAR

Estou a te esperar, com o rímel molhado, com o batom recém passado e bem desenhado.
Estou a te esperar, com os braços abertos, com o sorriso rasgado, com as pernas tremulas e com o coração disparado.
Estou a te esperar, com o jantar que você adora, com o chimarrão recém feito e com filme faz nós ficarmos a noite toda agarrados.
Estou aqui sentada, ansiosa a tua chegada, de saia, com as pernas cruzadas.
Te espero como nunca, você não vem como sempre, mas quero esclarecer, que te esperarei pra sempre.
Eloísa Gonzato.

quarta-feira, 9 de março de 2016

UMA NOITE, UMA FESTA, UMA CANÇÃO DE VERÃO

Uma noite, uma festa
Uma canção de verão
Alucinante paixão 
Que inundou o meu peito
Me pegou de jeito
Desejei o momento eterno
Voei nas asas da emoção
Caí de tentação por você
Que não sei de onde surgiu
E o teu olhar me engoliu
Viajei naquele beijo
Uma noite, uma festa
Uma canção de verão
Que se eternizou em meu coração...

Fabrício Colombo.

terça-feira, 8 de março de 2016

MULHER

Mulher tu é frágil como flor
e forte como o vento
resistente como o tempo.
Mulher tu és coragem
tu és verdade
e louca de liberdade.
Mulher tu és vontade
tu és o desejo
o sonho de um beijo.
Mulher tu és a vida
que em teu ventre se faz
em teu peito se cria.
Mulher tu és linda que palavras não existem.
Mulher tu és o amor
a perfeita criação do Senhor!
Fabrício Colombo.

PÔR DO SOL NO GUAÍBA

Imagem: Fabrício Colombo, Pôr do Sol as margens do Guaiba, Porto Alegre - RS; junho de 2009.

segunda-feira, 7 de março de 2016

ESSA VIDA

A vida continua
Independente do que aconteça
A vida não para
Nem que seja para morrer
A dor que se tem
Queria esquecer de alguém
Mas a vida lá fora rola
Minha tristeza aqui dentro chora
E o mundo gira
Meu mundo iludido
Sonho que não se realiza
Minha vida que passa
Esperança que já cansou de esperar
E essa vida que não quer parar.


Fabrício Colombo.

MAR DE PENSAMENTOS

Hoje acordei
E agora estou no mar
Vendo uma onda quebrando...
Quebrando minha rotina
Então, deixo o tempo passar...
E vejo uma onda que me inspira
Inspira a sonhar...
Agora vejo uma onda imensa
Imensa de planos pra concretizar...
Vejo uma onda que leva e traz
Leva meus pensamentos bons
E me traz a esperança de continuar...
E nessa onda de pensamentos
Mergulho meus sentimentos
E me renovo nesse mar...


Karina Felisberto.

sexta-feira, 4 de março de 2016

AVENTUREIRO APAIXONADO

Você é uma escultura inacabada
Eu posso ser um escultor
Você é uma história não terminada
Eu posso ser um escritor
Você é uma canção perdida no tempo
Eu sou a melodia achada no vento
Você é o sonho
Que eu vou sonhar
Você é uma poesia esquecida
A poesia que eu vou lembrar
Você é um paraíso inexplorado
Eu sou um aventureiro apaixonado

Fabrício Colombo

PARA TODOS OS MEUS AMORES

Cara amiga, meu amor. 
Te amo, porque já te amei.
Sabe que sempre clamei por tua pessoa,
Que me é notícia boa saber que está bem.
Te amo sem desejo, só desejo o bem.
Cara amiga, meu amor.
Se já me amou, me ama.
Sei que ainda clama por minha pessoa,
Que lhe é notícia boa saber que estou bem.
Que me ama, sem desejo, só deseja o bem.
O amor quando passa
Tem que deixar saudades,
Deixar que no peito floresça amizade,
Semente deixada pelo amor de verdade.
O amor não passa, deixa história.
É lembrança bem-vinda.
Bendita memória- Eu me recordo bem.

Douglas Altíssimo

quinta-feira, 3 de março de 2016

EU SOU

Eu sou uma folha em branco
Como o silêncio que nada diz
Eu sou a luz que se esconde
Na esperança de ver algo
Eu sou uma sinfonia
Que calado alguém ouve.
Eu sou um segundo de sonho
Que te faz feliz de olhos fechados
E sou o brilho dos teus olhos
A iluminar
Eu sou o contorno do teu riso
Que erradia a todos
Eu sou a lágrima que não caiu.
Eu sou o vento que sopra
Para te arrepiar
Eu sou o tempo que para
Só pra te ver passar
Eu sou o amor escondido
Que nunca mais foi atrevido.

Fabrício Colombo.

quarta-feira, 2 de março de 2016

OS FILHOS DO SILÊNCIO

Para que tentar achar palavras
Que não precisam ser achadas
Pois não precisamos explicar
E muito menos falar
Para que se cansar de tanto pensar
No que dizer se não precisa ser dito
E para que vamos gritar
O que não precisa ser ouvido, apenas sentido
Não precisamos de som
Eu quero nós frente a frente
E em silêncio vamos voar
E calados nos amar.

Fabrício Colombo.

terça-feira, 1 de março de 2016

MINHAS PALAVRAS

Nessas palavras
muitas vezes embaralhadas
escondidas em mistérios
ocultos segredos
e muitas vezes os medos.
Nessas palavras
o sonho de poeta
lembranças dos amores
palavras que curam as dores
quem sabe, visões de profeta.
Minhas palavras
companheiras de solidão
construtora de ilusões
alegria de escrever
parceria do meu viver.
Palavras
que querem ser
a busca de entender
tentativas de explicar
querendo me revelar.
Minhas palavras
escritas com simplicidade
buscando felicidade
rabiscadas ao vento
procurando enganar o tempo!
Fabrício Colombo

MEU CORAÇÃO

Meu coração Emoticon heart
É tão bom te ver aqui 
tão bom estar aqui com você.
seria tão bom eu te conhecer.
Provavelmente você, se esconde tão fácil.
E se eu pudesse te entender?
poderia sentir amor por você?
meu coração só quer te amar.
se fosse tão fácil,te esquecer.
Escreveria mil cartas de amor á você.
Mas te sinto tão longe.
já pensei tantas vezes em te encontrar.
Mais essa distância faz nos afastar.
Esse sentimento que perfura por dentro.
Tenho certeza que é verdadeiro.
Meu coração,quer te encontrar por inteiro.

Taís Fontoura de Lima